1 ano de veganismo e o que mudou na minha vida

maio 29, 2014

Quem lê este blog sabe que raramente eu falo alguma coisa sobre a minha vida pessoal. Eu não gosto muito de falar da minha vida, já gostei muito quando era mais nova, nos tempos de fotolog e afins, mas passou. Haha.

Por que VEGAN? Não é óbvio?
Resolvi compartilhar isso aqui por dois motivos: primeiro por ser algo muito importante pra mim e que de certa forma, mudou a minha vida pra melhor, e segundo porque vez ou outra recebo mensagens inbox na página do blog no Facebook de pessoas que se tornaram vegetarias ou veganas querendo compartilhar um pouco suas experiências, falando que o blog tem ajudado a comprar somente produtos não testados em animais etc, e isso me deixa muito feliz. 

Me tornei vegetariana em novembro de 2007, eu tinha 14 anos, então minha mãe não aceitou, passou anos citando um exemplo de uma atriz (que eu não sei qual é) que passou uns 7 anos sem comer nenhum tipo de carne, mas depois disso voltou a comer peixe e frango por questões nutricionais - desculpa essa que qualquer pessoa bem informada sabe que é mito.

"Sua alimentação é muito restrita." Será?
Entre abril e maio de 2008 eu cedi à pressão dos meus pais e voltei a comer frango. As pessoas costumam associar minha magreza (sim, eu sou realmente muito magra e não, não estou doente e nem é culpa de não comer animais) a eu não comer animais e com meus pais não é/era diferente. Lembro nitidamente do meu pai falando da importância de "comer proteínas", leia proteínas de origem animal. Quando você se torna vegetariano todo mundo, imediatamente, vira nutricionista! Não culpo meu pai, sério, ele falava o que ouviu diversas vezes na vida. Eu me sentia realmente incomodada com a situação, porque existiam sim coisas que eu sentia prazer em comer, mas existia um conflito com a minha consciência. Eu sabia que aquilo apesar de socialmente aceito, não era ético. Que eu estava contribuindo para o sofrimento e morte desses animais. Entre o final de maio e o início de junho, eu deixei definitivamente de comer animais. A única parte difícil foi essa da não aceitação da família, mas quanto a alimentação, desde criança que minha irmã e eu temos o hábito de comer frutas e verduras (meu irmão mais novo não, porque ele é chatinho, não gosta de nada), então não tive dificuldades. As comidas que a minha mãe fazia já não tinham carne desde antes, ela fazia a carne separada. Até feijão faz pouco tempo que ela passou a colocar carne dentro. (Aff, mãe.) Fora que eu aprendi a me virar na cozinha. Eu ficava adiando o veganismo da minha vida com a desculpa de que quando eu tivesse uma casa (essa é a desculpa pra tudo na minha vida, sério), eu me tornaria vegana. Mas né, pode demorar a vida inteira pra isso acontecer. No final de 2012 me tornei lacto-vegetariana e só em 29 de maio do ano passado, com 20 anos, criei vergonha na cara (haha) e me tornei vegana, e essa foi a melhor coisa que eu fiz na vida. E isso já faz um ano! Passou rapidinho.

Algumas coisas mudaram na minha vida: 

  1. Minha mãe fala muito mais e sempre, sempre "sua alimentação é muito restrita". E eu sempre digo "não é nada restrita, só é diferente da sua.".
  2. Eu aprendi a cozinhar muito mais coisas e melhor. Quando você se torna vegano numa cidade do interior do Rio Grande do Norte, não tem jeito! Do it yourself or die. ahsdaousida (Ou você pode comprar marmitas/quentinha na Cozinha Vegetariana, marmitaria de Márcio Oliveira.)
  3. Na maioria dos lugares para comer aqui você só tem duas opções: açaí ou batata frita (ou os dois juntos. Amo/sou açaí e batata frita). Claro que tem lugares que fazem sushi vegano, se você pedir, pastel também (mas tem que conferir se a massa não tem ovos, leite e derivados), e acarajé. 
  4. Ler sempre os ingredientes de tudo que for comprar, desde comida à cosméticos. Se bem que eu já estava acostumada a isso (com comida), porque tenho amigos vegans e a gente cozinha junto as vezes.
  5. Suplementar a B12. Quem quiser saber mais sobre a B12, eu recomendo o livro Alimentação Sem Carne, do Dr. Eric Slywitch. E para os carnistas de plantão que vierem falar merda, leiam isso aqui
  6. E mais importante: fiquei em paz com a minha consciência, em não contribuir mais para o sofrimento animal.
Foto 1: Bolo vegan de chocolate com morango, do Om Shanti; Foto 2: Pizza vegana, da Eliana; Foto3: Vegan almond butter cups, do The Lunchbox Bunch. "Ah, como é difícil ser vegan!" 


O que não mudou:

  1. Perguntas como "Nossa, e o que você come?" e pessoas que se acham "as" engraçadas fazendo as mesmas piadas especistas batidas de sempre tipo "minha comida caga na sua". E xs ~nutricionistas repentinxs~ que enchem o saco com "e as proteínas? e o cálcio? e o ferro?" "ah, por isso que você é tão magra". 
  2. O que eu visto. Desde antes de eu ser vegetaria eu já não usava coisas feitas de couro porque eu achava nojento, nem lã (até mesmo porque aqui é quase o inferno, de tão quente). 
  3. Comer com os amigos e a relação que a gente tem. A maioria dos meus amigos são vegetarianos e alguns veganos, e já é costume da gente se juntar na casa de alguém e fazer comida e conversar besteira. Algumas pessoas quando se tornam vegetarianas ou veganas sentem dificuldade no relacionamento com xs amigxs porque muitxs não compreendem e acabam desrespeitando de alguma forma, seja com piadas ou não.
Se você leu isso tudo, parabéns, você venceu na vida! Hahaha. Bom, então é isso. Quem quiser compartilhar algo interessante ou não, descobertas e tudo mais deixa comentário, ou manda inbox na página, que como eu já disse, eu gosto muito disso.
Beijos.

Posts Relacionados

0 comentários